quarta-feira, 30 de maio de 2012

Comida de plástico

          Toda a gente fala dos malefícios da comida de plástico, já eu tenho uma fascínio muito especial pela dita, e não é tanto a comida de plástico, mas a revestida de plástico...

             A minha "cena" (como diriam os totós) não é bem os hamburger's do McDonald´s, nem as pizzas que a base sabe a fermento, a minha "cena" é a comida revestida de plástico, transportável, saborosa, e com carradas de hidratos de carbono... hábito adquirido quando fazia natação e nunca consegui largar...

             Chamo-lhe carinhosamente Comidinha de Nerd, sou uma preconceituosa que imagina nerds a comerem bolachas gigantes e bebidas energéticas para não perderem muito tempo e continuarem a jogar... definitivamente não sei onde fui buscar essa ideia... sei sei...

            Mas hoje confesso que me sinto enganada, quando comprei numa máquina de vending uma "barrita" que nada mais era que uma bolacha, muito saborosa aliás, mas era só UMA bolacha, e dá cá 0,75€...  Eu sei que há gente que adora máquinas de vending... elas até lhes dão mais que a quantidade solicitada, dois produtos pelo preço de um, e assim... mas elas a mim nunca me deram nada...

           Como devoradora de Comidinha de Nerd que sou, os 75 cêntimos são escandalosamente saborosos, ao ponto de poderem ser 100 cêntimos, ou seja, 1 euro... não está a far sentido nenhum porque agora estou de ressaca de hidratos de carbono.  
               



             

terça-feira, 29 de maio de 2012

Mas alguém sabe do que fala, neste país?

           Hoje tive tempo para coçar a minha micose! Weeee.... e apreciar verdadeiramente a minha dor de dentes, que vou ter de aturar por mais uns dias... E nada melhor do que ver todos os programas que gravei nos últimos tempos... mais ou menos um mês, que não vejo tv... quer dizer tirando o Games Of Thrones!

          Tinha gravado o "Olhos nos Olhos" do Tvi 24 com Judite Sousa, Medina Carreira e Maria do Carmo Vieira, e estavam a debater-se sobre o estado da educação, a apresentadora deu seus ares de fragilidade como se não tivesse feitos os trabalhos de casa, Medina muito falou em cortes e falta de dinheiro, e a senhora Vieira, expôs o que é do seu conhecimento enquanto professora.


               Ora Maria do Carmo Vieira, é professora do ensino secundário, que de forma emotiva retrata o que experiencia ao longo da sua carreira, que já vai para lá de longa, diz em momentos mais próximos do final do programa refere que ultimamente os trabalhos e teses de doutoramento e mestrado são aglomerado de citações do principio ao fim...

               E foi aqui que a senhora perdeu créditos! A sério... 
A senhora sabe o quanto são postos de lado os alunos do ensino superior, que não pensam e nem fazem trabalhos segundo preceitos (quase arcaicos) by the book? 


O que o aluno questionar o professor mesmo que de forma fundamentada, é determinante negativamente para o ele mesmo? 


O que mostrar que se sabe em determinada área é encarado como chiquespertismo?


Por isso o melhor é mesmo fazer citações, abanar a cabeça mesmo quando nos dizem que o Sol é verde, e dizer sempre que o professor é genial, mesmo que não se percebe bem qual é a especialidade do mesmo.


sexta-feira, 25 de maio de 2012

Gajas e manias

        Hoje estava a falar com uma conhecida minha, do tipo de pessoas que vemos no máximo duas vezes por semana, mas quando vemos, falamos até fartar!

          A minha conhecida foi operada ao maxilar, e no período do pós-operatório, penso que três semanas que se seguiram à operação, ela ficou com a cara inchada, não disforme, mas inchada, e gostava da cara assim.

           É claro que o inchaço passou, e por incrível que pareça ela está deprimida, porque se sente feia! Para mim, ela continua lindíssima! Não que concorde com ela, mas eu percebo-a! Quando eu fui operada, eu emagreci 10 kilos! E quis engordar, tão desesperadamente, e eu engordei! A minha percepção de mim, passa por eu ser gorda, gorda não que eu sou uma gaja gira e super interessante, e já agora modesta, eu sou voluptuosa!

             Auto-estima é uma assunto delicado entre gajas, cheias de sentimentos e necessidades... e eu sou gaja! E o meu corpo não define o que sou, porque eu não sou um produto para venda; a minha cara não o reflexo de mim. Mas o meu corpo é esta massa de 90 kilos, que eu aceito e lido bem com ele.

             Voltando à minha conhecida, o "estúpido" do namorado também gostava mais da aparência dela com a cara inchada... eu não me lembro dela com tal inchaço... mas parece-me ridículo alguém ficar bem com a cara da maneira que não era anteriormente, ok foi necessário fazer a correcção do maxilar, mas foi pela saúde dela!

            Yap! Gajas são complexas, e não esquisitonas como a maioria diz!

               

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Pimp my caixinha

           Não mais viverei num quarto desarrumado, nem chegar ao cúmulo de dormir com a mala! 
  Estou determinada! agrupei as minhas coisas por categorias e meti em caixas de arrumos. Acabando a viabilidade orçamental para comprar mais caixas... sim as caixas de acrílico são caras... lá cravei uma caixa à Cláudia... a quem é que haveria de ser... lol

   Assim, se querem ter uma caixa decorada como a minha

É só seguir as instruções
Materiais...

  • 1 caixa de papel
  • 1 revista velha
  • tesoura
  • cola
  • agrafador
  • fita de debruar (eu já tinha de uma experiência anterior)
  • papel auto-colante (não sei se é assim que se chama, mas é o material que se usa para plastificar livros escolares)
  • auto-colante coloridos
passos do processo de transformação
1
Tirar as folhas centrais da revista, para que o comprimento das mesmas cobra maior superfície da vossa caixa
2
Cortar as folhas de moda a dar o efeito visual que pretendem, no meu caso, preferi na diagonal.  
3
Colar os pedaços de folhas da revista, ajuda se colocarem primeiramente cola sob a superfície.
Não se esqueçam de aparar o excedente de papel. 
4
Agrafem a fita de debruar... de modo a que o agrafo não seja perceptível 
5
Colocar os auto-colantes, de preferência onde o papel esteja mais solto, sempre ajuda quando depois colocarem o papel para forrar 
6
Medir o papel adesivo ou lá como se chama e coloquem... é chato, trabalhoso, e nem sempre fica como queremos
7
Uma das faces da caixa ficou sem a decoração das restantes, intencionalmente porque queria fazer-lhe uma pega... ou buraco para pegar, é mais isso... que cobri com uma cartolina azul...
Escusado será dizer que tive de forrar novamente...

E aqui está....




segunda-feira, 21 de maio de 2012

TedX

           Eu fui a um TedX... um WEEE para mim, que sou uma fixe e fui a um Tedx, por questões de privacidade não vou dizer onde, ninguém perguntou, ninguém quer saber, ninguém precisa de saber... E já houveram outros desde que eu fui, por isso não há como associar.

            Para os que não conhecem o conceito Tedx, consiste numa conferência onde Yuppie's (já pareço um velho a falar) querem convencer gente na casa dos 20, na sua generalidade, de que eles são capazes de tudo, desde que trabalhem, não desistam, e invistam dinheiro, mesmo que sem retorno. 

             E esta foi a definição mais tendenciosa de sempre!!! Fiquei revoltada, porque parece uma nova religião, onde espremido se diz sempre a mesma coisa: Não desistir, Trabalhar, Investir, Continuar Motivado!!! Discursos motivacionais, não faltam e nem são o problema, o problema está em não tratar a realidade com a seriedade que merece, a vida não é um filme americano que acaba sempre bem.

            Também tenho a dizer que me aborreceu a história mal contada, ou se quiserem mal vendida... Sim TedX é um negócio, vocês pagam, e pagam bem... e para quê? Para saírem de lá eludidos... _Estamos a mudar de paradigma, por que estamos a substituir competição por cooperação/ parceiras... Mas ele está a falar do quê? Parcerias existem para que empresas fiquem mais competitivas...

              Houve um orador que nos chamou atenção para as maravilhas da nanotecnologia, entre contornos de ciência que eu não domino, o senhor garantia que a nanotecnologia seria a cura de doenças terminais como cancro... e a esse senhor eu tenho a dizer:
_Cale-se, poupe-se à vergonha de parecer um ignorante sentado no café a especular sobre o estado da economia mundial, a industria farmacêutica iria viver do quê? Vamos falar da relação de custos investidos em cuidados paliativos e investigação para a cura? 

              TED talks? mas que Ted Talks? Parece uma aula convencional, onde tem um orador que faz um monólogo de 15 minutos ou mais, nada de inovador para quem frequente o ensino normal, um fala, e todos ouvimos, não há muito dinamismo, ou interação entre plateia e oradores...

               Tenho a dizer que comi muito bem nas pausas técnicas para café, e no almoço... Lasanha vegetariana grrrrrrrrrrrrrrrrrrr
         
             
             
             
               

           


quinta-feira, 17 de maio de 2012

Integrado, a palavra da moda

           Já reparam na forte tendência para todo o que há na sociedade hoje ter a denominação de INTEGRADO? Volta na volta temos uns vocábulos bonitos, para traduzir a realidade que temos... e ao fim de contas que sempre tivemos... Andamos a camuflar o que já era feito, com palavras que lhe dão mais valor, credibilidade, especialmente para os que andam muito ocupados em pensar.

             Lembrei-me desta parvoíce hoje, por ter visto: "23 anos de apoio educativo integrado" o que antes se chamava "aulas de apoio" hoje é um sistema educativo integrado... legitima a coisa, não vamos dizer que não...
  
                Mesmo para os miúdos é muito mais aceite o que anda num sistema educativo integrado, do que tem aulas de apoio. Mas já antes se floreava o facto dos meninos precisarem de aulas extras, os ricos burros precisavam de "explicações", os pobres burros tinham "aulas de apoio"... Mesmo que não quisessem fazem qualquer alusão ao seu estatuto social, estava subentendido... 

_AHH Agora não posso porque é a explicação
_ Ahhh Agora não posso porque tenho aulas de apoio

logo à partida há diferença, enquanto no primeiro: ok é burro e pagar por isso, no segundo: f**** já não bastava ser pobre também é burro...

               O termo burro aqui é mera piada, bem sei quem tem mais domínio numa área não tem necessariamente de dominar todas, foi uma brejeirice da minha parte... e aí de quem venha com a história do Einstein , que era um cepo na escola e depois surpreendeu o mundo... Ele é só um case study, pouco repetido na história...

                  ( e basicamente era o que eu hoje queria dizer ao mundo)
                  

terça-feira, 15 de maio de 2012

Low cost

           O conceito Low Cost traduz-se numa democratização da economia, em que todos (ou a maioria), têm acesso a serviços e produtos. Qualquer puto do primeiro ano de ensino superior de um curso de economia, gestão ou qualquer outra coisa, sabe que a diferenciação de preço é consequente da ineficiência da economia.

        Bem sei que todos gostamos de potenciar o nosso consumo, mas facto é que o low cost mata a existência de postos de trabalho... ei além tem de trabalhar! Arrisco-me mesmo a dizer que o low cost mata a classe média.

            Democratização da economia é um conceito bonito! Todos participamos, mesmo que sejamos uns parasitas da sociedade... é como se a economia fosse um ecossistema lol... mais democrático que isto é impossível. Ora subsídios de inserção não compram ténis Nike, e se calhar, mas só SE CALHAR as pessoas que os recebem (os subsídios) deveram ter mais que pensar do que nos ténis Nike, mesmo que em Outlet.

               Choca, mas o capitalismo é um sistema económico como outro qualquer, e este sistema tem muita gente com muito valor, e sem valor nenhum, em que há licenciaturas de tudo e mais alguma coisa. Por exemplo o curso superior de Solicitador, todos podem ser solicitadores, com ou sem curso, eu posso tratar de assuntos do meu vizinho e cobrar-me por isso, desde que o dito vizinho me dê uma autorização... para quê um curso? O argumento mais bonito que ouvi foi: "Foi para reconhecer solicitadores mais experientes"... (?) Na minha cabeça surgiu logo : "Então vamos fazer um curso de empregadas de limpezas?"

           Outra coisa que gostaria de referir, mesmo que desenquadrado do título: "Portugal, hipster da economia mundial" nós já pensávamos que conseguíamos viver do sector serviços antes do Dubai o ter conseguido e bem. lol  A realidade é: " Temos de viver de coisas tangíveis e palpáveis"

                 

sábado, 12 de maio de 2012

Hoje o mundo descobriu-me