quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Fim de mais um lei ignorante

              Não estou a falar do I.M.I. como seria de esperar pelos comuns dos mortais que já devem ter no calendário do próximo ano a entrega de I.R.S.. Mas é Natal, não tanto para os portugueses, no que se refere a impostos, já que ninguém nos presenteia com a descida de nenhum....
                 Para os estadunidenses foi o fim da política "Don't ask, don't tell", assinada ontem por Obama. Não é o fim do preconceito, é dar-lhe um ar menos legal... lol

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

A ida ao "Chinês"

            Aviso desde já que não me refiro a uma ida ao restaurante, mas sim a uma loja do "chinês". Já não ia comprar lá nada, faz um tempão. Fui lá ver o que há, não para anotar na minha lista negra pessoas que me dão coisas que vi por lá (o que não deixa de ser uma boa ideia) , mas para cuscar e acabei por me render ao fenómeno (que para mim roça a facto) da compra por impulso.

           O que comprei, fi-lo em duplicado, e deparei-me com defeito. Comprei um género de touca para usar durante o banho enquanto espero o efeito da máscara capilar, passemos á visualização do defeito:
             Sim eu sei que a simples troca, resolvi a questão, o meu namorado estragou uma caixa, e a segunda teve de ser aberta a meio para lermos as instruções e mesmo assim em inglês.
                  E o que pensei eu? Comprar no "Chinês" é um ciclo vicioso, qual estratégia da Amazon e demais sites de venda que recomendam outros artigos face ao nosso interesse num primeiro artigo, qual quê!!! O "Chinês" é que é... você compra uma touca, ou duas, têm defeito, você terá de comprar um par de agulhas e linha para cozer, e o que inicialmente só eram 3€ (1,5€ cada) já vai em 5€. Bem sei que também pode simplesmente optar por não destruir a caixa, mas isso já não dava direito a post.


domingo, 19 de dezembro de 2010

Açucar um investimento para um futuro muito próximo e próspero

            Dizem que não vai haver açúcar este Natal, que o preço do açúcar vai aumentar, que vamos começar a racionar o consumo de açúcar, que vamos ter ataques de hipoglicémia... O drama, o horror, que eu tenho solução...
 Preço negociável, total discrição          

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

(nem sei muito bem o que chamar a isto)

Não estou a trabalhar, mas resolvi fazer greve!!!

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Exploração Infantil

            A exploração infantil tem desígnios que mudam de acordo com os progenitores do infante em questão. Passo a explicar a minha ideia, "Jovem és filho de pais divorciados, a tua mãe recebo pensão do teu pai, a tua mãe gasta-a em restaurantes e cabeleireiros da Linha, tens de trabalhar camuflado pelo dever de saber o que custa a vida"; "Jovem és filho duma recepcionista de dentista, tens o teu pai desempregado há 2 anos, precisas de uns trocos extras, tens de trabalhar". Nunca se depararam com situações próximas que enquadrem o cenário? Se sim, é redundante dizer-vos qual é mais aceite socialmente, sendo o jovem menor de idade igualmente em idade escolar, mas para que fique claro sim, é o menino da Linha, que concilia o seu trabalho na Telepizza com o 10º ano; ao outro são levantadas todo o tipo de questões.
               
            A exploração infantil tem desígnios que mudam de acordo com o tipo de trabalho que se faz, se a menina de 6 ou 7 anos anda de casting em casting, em sessões fotográficas, desfilar ou a aparecer nos Morangos com Açúcar, perdendo aulas, ganhando ilusão, alimentando a vaidade dos pais, está tudo naturalmente bem; se a menina de 6 anos passar a ferro ao final do dia, ou mesmo aos fins de semana faz uma hora que seja a varrer o chão de um café, precisando desse dinheiro para comer, já não é bem a mesma coisa.

             A exploração infantil tem desígnios que mudam de acordo com o país onde estás, enquanto na nossa realidade a coisa ainda se vai discutindo, noutro país trabalho é somente trabalho não importa quem o faz 

sábado, 11 de dezembro de 2010

Desventuras de duas doidas moderadamente académicas

            Ficaria muito feliz se, você leitor amigo, já estivesse lido Aventuras da vida académica , editado em finais de Agosto, caso ainda não o tenha feito, pode clicar em cima das letras coloridas e deliciar-se com a estupidez alheia.
             Como já é conhecimento de alguns, vim para Oliveira há pouco tempo, dado uma complicação médica, coisa que já está resolvida (mais ou menos vá, mas acreditemos que sim). Mas o pouco tempo que cá estou, já me foram actualizando dos fenómenos que por cá passam, e sem revelar nomes, vou contar o hilariante mundo de duas doidas moderadamente académicas.
              Especula-se que tais doidas vivam com algumas limitações financeiras, mas quem não vive... estamos em crise, agora é Natal, mas depois voltamos a estar, ai não depois vêm as eleições presidenciais, depois das presidenciais vem a crise, isto se o Benfica não for campeão após as presidenciais, tudo é possível! Adiante e sem mais divagar, para colmatar tais dificuldades, subarrendaram um quarto na casa onde viviam, é ilegal mas esperto (também estamos num país em que não se pode é ser estupido).
              A vida corri bem, fora a uma ilegalidadezita ou outra, como o subarrendamento, a "inquilina" ter umas companhias que se suspeita trabalharem para a trident, havia mesmo quem os chama-se de pastilhados, até a dedicação que estas doidas tinham por floricultura, era mais no dominio das plantas mas eu sou ignorante o suficiente para não saber como se designa tal cultura, os vizinhos não serem surdos para aturar o barulho e reconhecerem trabalhadores/ colaboradores no mercado dos "doces", fora isso estava tudo bem.
            Esta animação numa cidade como ODH, é como uma rave, e ás constantes raves as pessoas começam a chatear um bocado, mas a coisa vai-se aguentando até porque há um senhorio que quer a sua renda mensal, ora indo as loucas de férias a coisa complica-se.
              Vindas de férias, mês de Setembro,o cenário é caótico, para estas vitimas dos nativos oliveirenses, gente que chama advogados para filmar o estado da casa, destroi as plantas cuidadas com tanto amor, e recolher todos os seus pertences. Para reaver os seus bens estas doidas tiveram de ir buscar os seus bens ao senhorio e ainda ouviram declarações como: "as paredes dos quartos estavam todas pintadas, deviam entrar em transe e fazer essas coisas sob o efeito de tais plantas" Transe? Pintar sob o efeito de plantas?

E porque não isto em transe? 





                 

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Contagem decrescente para a contagem decrescente para o fim do mundo

            Houve em tempo um povo tão evoluído para o seu tempo que previu o fim do mundo, que disponha de métodos cientificos avançados, e que foi extinto pelos espanhois, que é uma gente estranha em que homens dizem de forma (gaymente) colorida OLÉ!!! Faz sentido na vossa cabeça? 
           Mas já ouviram esta história em algum lado, certo? Até já assistiram, quanto muito ao trailer de filmes que vestem o tema, o mais recente "2012", que era incrivelmente mau, e mesmo assim houveram milhares a ve-lo. Em contagem decrescente para 2011, que será ,segundo muita gente, a contagem decrescente para o final do mundo, deduzo que apartir de agora qualquer noticia será conectada uma relação rebuscada de causa- efeito para o acontecimento que se quer como certo.
           A histeria que é caracteristica nos dias que correm, levará certamente a teorias psicossociais para minimizar o impacto que o fim do mundo terá nas nossas vidas. lol! Estou mesmo tentada a escrever um livro de sobrevivencia pós- 2012, com a ajuda do meu amigo João que é escuteiro (só para dar mais credibilidade á coisa), a já agora também com a colaboração da mãe da minha amiga Dina, que com muita sapiencia,diz: " Quando há desgraças os portugueses vão para lá montar tendas".
         Há sempre aquela ideia dos enlatados, imagino campanhas como "Coma atum Ramirez nos seus ultimos dias"; antevejo também muita gente a fazer coisas que nunca fez antes,do género virgens a correrem que nem loucas sobre prados verdes... coisas parvas sem nexo. Começo a pensar que dedicaria os meus ultimos dias no mundo, a fazer essa coisa que agora está na moda, dieta.
         Vejam se atinam, nada de alarmismos com teorias de gente que nem tinha internet, passava fome e morria lá para os 25 anos com aspecto de ter 60, mesmo que tivessem capacidade de prever alguma coisa, como iriam compreender tais visões. Como é que eles iam entender uma coisa tão simples como o que é um elevador, um estancionamento subterraneo,ou mesmo uma frigideira electrica? 
          

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Coleccionismo

                Coleccções há de mais ou menos valor, valor sentimental ou meramente material, de raridade ou vulgaridades, catalogadas pelos seus coleccionadores orgulhosos do bem em vários itens que possui. 
             Foi coisa para a qual a minha vocação nunca desperou, de tempos a tempos sou capaz de "coleccionar" um número de itens de tal artigo, e como gaja que sou, estou claramente a falar de ganchos de cabelo, lenços, e outras (f)utilidades do universo feminino (solteiro), mas não por muito tempo. E tal acontece em tão curto espaço de tempo, dado que chega a uma altura em que começo a achar ridiculo.
                 Com todo o respeito por quem o faz, sejemos razoaveis: qual é o interesse de coleccionar pacotes de açucar (do café expresso), caricas, embalagens de perfume vazias, ou posters? Uma colecção de arte, moedas fará mais sentido, a meu entender, agora calendários??? Por favor!!! As moedas terão um retorno de todo o tempo de catalogação, manutenção e armazenagem, agora calendários, caricas (?) de que servem?
               Assistimos em muitos filmes das Américas ao facto de se coleccionarem "basebol cards" que mediante o seu grau de raridade valem fortunas, estes países bebés têm de ter alguma coisa para se sentirem "grandes", não têm História, têm desporto. Enfim..
              Quero que fique claro aqui, que caso me queriam incluir no vosso testamento, por favor não me deixem a vossa coleção de coisas ás quais, vocês sabem,que eu não vou dar importancia alguma e o seu ultimo destino será a reciclagem...

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Faz tempo

            Faz tempo que não te ligo, que não falamos, que não te vejo, que não existes... mas há de ti em mim, um haver que dá dor,uma dor que não pára, que não estanca, que piora, e eu desespero... 
        Continuo a amar-te, numa dor que agonia, a dor da perda, a dor do luto da tua morte. Eu sinto tanto a tua falta avó, queria tanto falar contigo, abraçar-te...Comemorar os meus anos contigo aqui, dizer-te como vão as coisas, ouvir os teus relatos do que passa na televisão, do que acontece na vila, do teu resmungar o avô, de te contar o resultado da biopsia (que sai hoje),de te dizer que estou com medo... Mas isso já é o meu egoísmo a falar, sei que o teu sofrimento em nada se compara com o meu agora...

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Me cartoon

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Qualquer dia é um cliché

          Vocês sabem lá o que  é levar uma 
anestesia geral!!!

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Não, obrigado


Sexo protegido, sim... há que ser responsável! Preservativo feminino, não!!!
É horrível!!! Mas experimentem, mais não seja para não morrerem estúpidos. 

domingo, 21 de novembro de 2010

Está a aproximar-se

      Resultado da biopsia

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Pensa..

            Há alturas na vida em que a motivação se confunde com a obsessão, a determinação com teimosia, a força de querer com o delírio. E o que te resta são clichés, literatura de bolso e filosofias da treta que ninguém verbalizou,mas que não passam de senso comum. Cais no ridículo, e és rotulado de estar á margem, da realidade que te rodeia. Eles precisam de ti, para te criticar, para os fazer sentir normais.

           Sabes que vivias bem com menos de metade do que tens, e continuas a comprar; o teu vazio é preenchido com o que a sociedade quer fazer louvar, para te manteres integrado na malha. Sentes-te um hipócrita por que vês o erro e continuas a viver nele só para satisfação dos outros, para estares no que é "normal".

          Sacralizas conceitos e és fiel a eles, brincas com a hipocrisia alheia, com os valores, e nem sabes o que é isso de honra e dignidade, conheces o respeito e mal, ninguém to deu a conhecer. Não passas de um sociopata.

sábado, 13 de novembro de 2010

A mamã está com muitas saudades tuas

                                  
                                          A Kimi ficou com a minha mãe por motivos óbvios, mas eu estou com muitas saudades dela, mesmo sabendo que a minha mãe a está a estragar com mimos

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

A razão da ausência

            Ora bem-vindos de volta ao meu blog, foi com muito desânimo que deixei de editar post's por estas bandas, principalmente pelo motivo que justifica a minha ausência. Para os que ainda não sabem fui operada, e o pré-operatório foi pontuado com o característico sentido de humor de que faço bandeira da minha pessoa.
           Bastou a transferência do meu processo clínico para um novo médico de família, análises de rotina, e uma ecografia endovaginal, para descobrir que tinha um quisto dermóide,sugestivo de teratoma. E depois começou a corrida para outros exames mais específicos, segundas opiniões, desgastante é o que tenho a dizer.
          Fui aceite no IPO de Coimbra para uma primeira consulta e 15 dias depois fui operada, e só tenho a dizer bem das enfermeiras que me aturaram durante 4 dias, que por mais colaboradora que esteja no processo, sou muito sensível á dor.
          Pós- operatório está a ser difícil, não tenho posição para dormir, para sentar, e o Mário é que está encarregue de me aturar, e como eu o amo por isso...


quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Não testado em animais


Não é necessário, é simplesmente cruel

sábado, 6 de novembro de 2010

Reabrimos brevemente

quarta-feira, 13 de outubro de 2010


encerrado por tempo indeterminado...

sábado, 9 de outubro de 2010

Bro Code Weeeeee...

          O tão esperado livro, oferecido pelo excelentíssimo namorado, que vai satisfazendo a tosca da namorada conforme a sua paixão momentânea... Já cá mora!!! ( Oh não ou escrevi esta foleirice no meu blog, que vergonha) Sim estou emocionada e não me contenho em apreciação corriqueiras sobre o facto de ter um livro com o legen... wait for it.... dary Barney Stinson na capa.



domingo, 3 de outubro de 2010

Nos últimos dias...

           Ultimamente não tem sido fácil para mim escrever post's no blog, e como deu para ver tenho vindo a publicar fotografias minhas, ou sugerido o que tenho andado a ver ou rever, porque no meio deste mês apareceram mais exames, e as férias dos meus pais (facto pelo qual fiquei sozinha em casa), e agora ando em consultas e exames clínicos, e escusado será dizer que tem sido chato.

         E como eu tenho mantido o ânimo em alta? Yoga, cuidado da Kimi, fazendo caminhadas nocturnas, revendo o que tenho sugerido (filmes e séries que me façam sentir bem, positiva, de modo geral), organizei o meu roupeiro (mais ou menos), separei os meus produtos por ordem de utilização, para não se estragar nada (produtos de beleza, se me faço entender), e acima de tudo tenho-me estragado com mimos, e comprei um monte de tralha colorida que me faz bem ao ego. Lá pelo meio ainda bebi sozinha e brindei a mim mesma... eu amo-me.

            Não quero suscitar sentimentos anti-materialistas, ou em prol da espiritualidade da dor! Se o meu spray de água termal, o meu champô seco e o meu verniz novo me fazem feliz, que seja! Não há espiritualidade nenhuma na dor, só desconforto, sejamos pragmáticos! A dor só traz mais dor, não traz redenção, isso é meramente bíblico.

            Há uns tempos fiz um post de como combater o mau tempo, digamos que este post é mais um "Como combater...", combater a dor da espera, de saber que se tem alguma coisa mas não saber ao certo o que é. Sim o ano passado, por brincadeira o "título de quase grávida 2009" foi atribuído à minha pessoa, mas este ano já não tem assim tanta piada, pois já está a envolver teste à prolactina, e ecografias, e mais análises ao sangue... horrível!!! Não ter a menstruação durante três meses seguidos não tem piada, comer saudavelmente e continuar a engordar é irritante, alterações de humor a cada hora que passa é desgastante.                              

             Para finalizar só tenho a dizer ao mundo: Mimem-se, descubram o que vou faz feliz sem depender emocionalmente de terceiros, não pensem muito sobre o assunto e façam-no sem chatear ninguém. Que ninguém está para vos aturar, nem a mim, nem a vocês. 
             

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Se eu não fosse parva queria dizer coisas destas

"O bom senso é a coisa mais bem distribuida do mundo: porque, cada um pensa estar tão bem provido do mesmo que até os mais difíceis de contentar com outros bens quaisquer, não têm costume de desejar mais senso do que aquele que já possuem."


Descartes

sábado, 25 de setembro de 2010

Day Spa

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Greeny...

domingo, 19 de setembro de 2010

as minhas citações

x
x
  • "...agora não dá muito jeito morrer, porque eu comprei um creme novo na Sephora, não bem um creme é uma manteiga corporal não testada em animais" Jovem se tens tendências suicidas, não tens claramente um bom creme pelo qual te agarres à vida

  • "sexo é o novo preto, vai bem com tudo"... mas adaptado também pode ser: "sexo é com o preto, dá bem em tudo" (quem é amiga? quem é, Dina?)

  • "se a droga te atrapalha os estudos, estabelece prioridades, e investe numa coisa com futuro, investe na droga", o desemprego é f***** 

  • "vivo para comer, jamais comer para viver" Gula é a minha qualidade

  • "se acreditares, quem sou eu para dizer o contrário" sempre muito apropriada no que toca ao meu lugar na vida dos outros

  • "cada um deve optar pela razão que quer morrer" no seguimento de " se o microondas é cancerígeno o tabaco é muito mais e tu fumas

  • " a minha criança interior rebola de tanto rir"

  • " o problema não é o facto de eu ser gozona, o que é mentira, os outros é que apelam ao meu sentido de humor"

  • "naaaaaaah, é simplesmente parvo!"

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

lol

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

sábado, 11 de setembro de 2010

Revendo...

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Cantanhede

             "Querem ver como se desfaz uma lenda sobre a origem de um topónimo? Pois diz o povo que havia uma moura chamada Nhede que costumava cantar à noite. Voz maviosíssima, uma noite passou-lhe pela janela um homem que não se conformava que ela se calasse sequer um breve instante e suplicava:    
                     - Canta, Nhede! Canta, Nhede!
            Mas acontece que Cantanhede veio do latim Cantinieti (villa), isto é "(quinta) da canteira ou (pedreira) de cantaria". Cantonietum é um substantivo colectivo, tirado de cantonius e este de cantus "pedras". Em 1807, Cantonied e Cantoniede! É assim...
          Mas a freguesia de Ançã foi o espaço geográfico, a que foi confinado pelo rei D. Pedro II o Marquês de Cascais. E ali passou os seus últimos dias. Ora conta a lenda que o marquês, habituado à boémia da capital, onde também tinha todos os seus negócios, resolveu arranjar um expediente que lhe permitisse desobedecer- e não desobedecer- à ordem real de não abandonar a terra de Ançã. E, assim, mandou cobrir o chão da sua carruagem com a referida terra, levando mais uns sacos dela, que espalhou por todo o seu palácio.
         Sabedor que o marquês se encontrava em Lisboa, o próprio rei foi-lhe pedir contas de desobediência, mas o fidalgo respondeu-lhe:
                     -Desde o meu desterro não deixei de calcar e pôr o pé na terra do degredo, na terra de Ançã.
         Pois na porta principal da capela de S. Bento, nesta mesma Ançã, há uma inscrição cujos dizeres dizem, mais ou menos, o seguinte: Esta Santa Casa se fez de esmola no ano de 1599, no qual havendo a peste gerla em todo o reino durou por muito tempo e nesta vila por interferência do gloriosos S. Bento não durou mais que vinte anos. Na verdade, a grande epidemia pestífera do século XVI devastou toda a Zona Centro. Porém, aos primeiros sinais, o povo de Ança rezou a S. Bento, que o protegeu!
           Pois em Ançã se festejam devotadamente os aniversários do seu padroeiro. E as cerimónias tinham tal demora que os padres levavam sempre a merenda de pão e queijo não só para o seu sustento como para as crianças que esfomeadas, assistiam. Ao longo dos tempos, tornou-se uso da festa beneditina a distribuição de pão e queijo no final dos actos litúrgicos. 
            E o curioso é que este pão e queijo passou a assumir a importância de relíquia, pois muitos fies não o comem, antes o levam para suas casas, onde dizem se conserva anos sem apanhar bolor. E ainda hoje, os irmãos de S. Bento, após o pagamento das suas quotas e, eventualmente, de promessas, levam para casas as já célebres reliquias de pão e queijo. Também na Mézinha de S. Sebastião, Couto de Dornelas, em Boticas, se guarda pão com a mesma crença de não criar bolor e proteger."
           
In "Lendas de Portugal" de Viale Moutinho, Diário de Notícias (ano 2010)                       


quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Uma tótó das letras

           Falar bem é dever e direito de todos!!! Quando uma pessoa nos corrige, fonética ou semanticamente ou mesmo de algum aspecto do domínio da nossa língua, devemos agradecer, e não ficar importunados com suposta intromissão.

            Amo a minha língua mãe, pela sua complexidade; não tenho qualquer pretensão em ser catedrática em Letras ou Literatura, sou o que muitos são para a economia, ou mesmo para o futebol, treinadores ou economistas de bancada. E a culpa foi do meu pai, sempre zelou para que lesse, e que descobrisse um novo vocábulo, incentivava-me para que fosse ao dicionário. 
         
           Quando era mais nova (mais nova ainda) tinha um caderno de formato A5 que recortei de três em três linhas na borda de cada folha, de modo a fazer o meu próprio dicionário. A ideia foi do meu pai, a primeira folha tinha A, B e C; e as precedentes eram de igual modo agrupadas de três em três letras. O meu dicionário customizado foi enriquecendo em tamanho e complexidade. Agora tenho em dois volumes o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciência de Lisboa, que albergo na estante perto do meu quarto, ainda mantendo a caixinha de cartão em que vinha envolta, e a folha que separa os dois volumes.



           O fascínio que tenho pela Língua, faz-me ser apelidada de "Tem a mania que é professora", mas tem o seu lado positivo, fez-me mais selectiva no que leio, não que seja uma aficionada da leitura mas de algum modo sinérgico de ocupar o meu tempo lendo o que é indispensável e útil. Claro que cometo as minhas gafes de vez em quando.... Conformo-me, desculpando a minha falta de conhecimento ao não abarcar no "meu pequeno dicionário" com o vocábulo prodigalizar que significa dar ou distribuir alguma coisa em abundância, dar com confusão, ser pródigo em alguma coisa, expor ou expor-se correndo risco... não é complexo? 
         
              Há palavras, que conheço que não têm alguma aplicação prática no meu quotidiano, vejamos Tagarino para ser sincera não me recordo em que contexto a vislumbrei, mas calculo que tenha sido num romance histórico ( tanto leio o "Nem ao Bispo me confesso" como vejo o "007"). Ora Tagarino é um mouro nascido em Espanha no meio de cristãos que por sua vez fala correctamente castelhano... entre outros significados (como não poderia deixar de ser), quem é que à primeira ia supor tal coisa? 

                Agora todos sabemos falar Inglês, arranhamos o Portuguenhol, falamos russo e andamos a aprender mandarim para fim profissionais, mas a nossa língua? Sabemos o suficiente dela?

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Aventuras da vida académica

           Há um sem fim de histórias, algumas delas que gostaria de imortalizar com este post, da vida académica, daquele tipo de académicos que vive para a "vida académica", e fora disso pouco conhece do "mundo real". A vida académica não nos prepara para coisa nenhuma, apesar de acreditarmos que sim, ou fingirmos acreditar; daí a necessidade de exorcizar estes episódios que ridicularizam os ditos académicos.

                  Há pessoas!!! gente estranha que não tem a coragem de admitir quando a coisa já está saturada, quando digo a coisa, é a situação em si, a cabeça já não para mais nessa semana, já não há paciência, mas como explicar ao filantropo que patrocina o estudo que tal acontece, normalmente é a entidade paternal o "filantropo" daí a situação se complicar ainda mais. Ora, não admitir que não se vai a um exame porque simplesmente não dá, pode ser sinónimo de rumar à faculdade no dia do exame, fazer tempo até o exame findar e rumar de volta a casa... esqueci-me de mencionar que até lá, nesse meio tempo que se chega ao estacionamento da faculdade, e o final do exame (para os que foram, claro) se lêem dois jornais.

                 Para este individuo que não tive o prazer de conhecer, só tenho a dizer: " Meu caro, não havia mais sitio nenhum para ires? Os mesmos quilómetros, noutra direcção dariam mais prazer de certeza".

                     Coleguinha de turma, num debate que questionava quais os tipos de organizações mais funcionais, as emocionais ou as racionais, da equipa defensora das organizações emocionais diz : " A minha mãe trabalha no Modelo e tem uma relação emocional com o patrão"

                                Coleguinha, menos informação sobre as relações que a tua estabelece...


                              Grandes histórias imortalizadas na minha mente, havia quem pensasse que o WWE era real, (até vou deixar o link para os mais desatentos verem a credibilidade da coisa), quem perguntasse se Banana Split se podia fazer com outro fruto, quem pense que o seu Seat Leon anda 120km por segundo, e quem não saiba o que é o neo-liberalismo (tendo em conta que é um tipo que está a tirar um mestrado, e tem uma licenciatura em direito).
                

   

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Espalhando o meu amor por coelhos

            Quem me conhece sabe que amo coelhos, mais do que qualquer outro animal de estimação. Eu já tive cães, gatos, (chatos) peixes, tartarugas, e periquitos (foi um amor fugaz, até o bicho começar a cantar)... O meu amor agora são coelhos.

           Tive dar a Sashiko, ela mordia na Kimi, e com a vinda para Cantanhede, isso traduziu-se em duas idas em semanas consecutivas ao veterinário, que por conseguinte se traduziu em discussão com a entidade paternal.  Agora, para grande pena minha já não tenho a HappyChild, mas continuo com a Rare.
 
Ela está com o pêlo estragado por causa dos medicamentos.
                               

             É óptimo ter coelhos, são limpos, sabem fazer as necessidades no caixote como os gatos, não fazem barulho, interagem com o dono, sendo capazes de demonstrar afecto, e são económicos... Para além do investimento inicial, que pode ser um pouco dispendioso, tendo em conta que uma gaiola espaçosa (para donos que não estejam disponíveis tempo suficiente com o seu animal) custa no mínimo 80 euros, as despesas de "manutenção" são baratas, para ter uma ideia, um saco de ração custa em média 2 euros, havendo, claro as mais caras e as mais baratas. Ainda há feno a comprar, pedras de cálcio para desgastar os dentinhos (que não param de crescer), as vacinas (anuais) da mixomatose,e da hemorrágica viral. 

               Qualquer rolo de papel higiénico faz um coelho feliz, no início eu comprei  um monte de brinquedos, que a Kimi nunca ligou, e que depois foram o delírio da Sashiko, não conheci ninguém que tivesse coelhos, para ter alguma referência, mas cheguei à conclusão que mesmo que tivesse não há dois coelhos iguais. Mesmo com 2 anos de experiência a lidar com a Kimi continuo a mimada com bombons, e colinho, chá de camomila, vitaminas, e outras "cositas más"

Os bombons da Kimi

                   Tenho muitas saudades da Sashiko, mesmo que tenha optado por ficar com a Kimi, que é o meu primeiro coelho. Ela agora está com uns amigos da minha mãe que têm imenso cuidado com os animais de estimação deles, eles têm pássaros, e porcos vietnamitas, coelhos anão, entre outras espécies.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Tagarelice ...

           Quando venho a casa dos meus pais, e consequentemente a minha casa; tenho especial gosto em fazer duas coisas: cozinhar e ver televisão, há mesmo um programa de eleição, Planet Food, A sério, eu sei que muito boa gente ambiciona ter o Meo (já devem ser pouco a terem esse sonho por concretizar), mas o que gosto é de passar uma tarde a ver filmes com mais de 10 anos, que já foram repetidos várias vezes. E adoro cozinhar, adoro comida, não só o sabor, mas a textura, e cheiro, o aspecto... comida!!!
                 Relacionado com comida, sempre tive o desejo secreto (que agora vai deixar de o ser) de receber um daqueles cabazes que se dão no Natal, eu sei que é estranho, mas não consigo descrever o quanto me faria feliz, receber uma cesta (mesmo que depois fosse para mal dizer a dita cesta de verga) cheia de fruta, patés, tostas, queijos, smoothies...

                  Bem, quero dizer ao mundo que já vi o filme "Salt", e dentro do género não é mal, deduzi que seria como "O Último Samurai", no que tocava a edição de imagem, e a dita ficar limitada á focalização de Angelina Jolie, mas estava enganada. Salt revela-se um personagem interessante, mesmo que desprovido de emoção, não o chamaria complexo o género de filme não permitiria que assim o fosse.

                    Já não compro nada há muito tempo, tenho de dizer que quero ir ás compras, quero comprar ganchos exuberantes para o cabelo, quero pintar o cabelo, e corta-lo também... para quem percebe alguma coisa de mulheres, sabe que estou claramente á beira de uma overdose de tédio...

                       Foi-me enviado por e-mail... achei hilariante este anúncio de tv...

                     

  Tenho a dizer que detesto esta skin no meu blog, visto que os vídeos ficam sobrepostos ás minha etiquetas e lista de post's... vou informar-me para saber o que se pode fazer...

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

hoje é proíbo...


  • Ter ataques de flatulência à minha frente, a única pessoa que pode ter flatulência sou eu
  • Ligar a televisão para ver o jornal, já chega de incêndios e desemprego, submarinos e freeport...
  • Falar de assuntos polémicos, e à falta de conhecimento de que assuntos me refiro, o melhor é mesmo não falar, facilita
  • Criticar o que trago vestido, é só tecido, não tem de ser metafisico 
  • Expressar sentimentos felizes perto de mim, hoje estamos todos deprimidos por solidariedade
  • Referir que estou a comer de mais, ou que não deveria estar a comer "isso"
  • Convidar-me para beber café, um "copo", ou socializar
  • Mencionar que "era bom" arrumar o meu quarto
  • Dizer piadas sobre coelhos no tacho
  • Recusar a minha comida super-fantástica, ou duvidar que sou boa cozinheira.
  • Mandarem-me passar roupa a ferro

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Síndrome de Garfield

           Não estou a falar de lasanha, mesmo que  vegetariana; e sim este post podia ser sobre dormir a sesta (coisa que adoro). Estou a falar do meu desprezo, ódio, repúdio, aversão a Segundas- feira!!!
                            
      Por mais cafeína que ingira, por mais animada que me tente manter... As segundas-feira são um pesadelo... mesmo de férias... É que eu hoje tive a estudar Cálculo Financeiro (letras pequeninas, para que a coisa pareça menos dramática) 

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Mais um filme de vampiros




           Estava eu a andar descontraidamente pela rua quando tropecei num dvd com o titulo "Vampires Suck", trouxe-o para casa, e viu-o; e mais tarde quando comentei com o meu namorado o sucedido, ele  disse que seria um filme sacado da net, dado que o mesmo só estreia dia 18 deste mês nos E.U.A., o que é totalmente ilegal, e aconselhou-me a entrega-lo ás autoridades competentes. Ainda não o fiz, porque estou com uma virose que me impede de sair de casa. Recrimino o download ilegal, e acho que é uma falta de consideração para com quem cria algo e não é remunerado por tal.

            Mas à parte disso, tenho a diz ao Mundo que já não há paciência para filmes de vampiros, Bram Stoker deve estar a rebolar-se no seu caixão, e a sua alma não descansa ao pensar que mais uma vez os americanos banalizaram um mito europeu, e desta vez foi o seu que saiu lesado. Para os mais desatentos, Bram Stoker é o criador de "Drácula", livro já adaptado aos anos para o cinema, genial na sua concepção de cruzamento de diferentes perspectivas da mesma história.

            Ora os vampiros europeus são fruto do glamour místico e elitista do imaginário da nossa cultura, e com a massificação da coisa, tudo não passa de uma euforia com contornos capitalistas e de alienação de mentes mais susceptíveis ao merchandising. Os personagens são pobres e limitados, e a saga vive do triângulo amoroso que inclui uma figura feminina fraca e passiva, um lobisomem que faz lembrar Enrique Iglesias num corpo delineado e suado e Edward com cara de que já não defeca há duas semanas.

            A moral da história é não ter moral nenhuma, vivem os personagens na área cinzenta onde não há bem nem mal, e Bella, ora suspirando pelo amor de um ou do outro não se impõe a nenhuma situação, o que não é nada característico de um adolescente normal.

            A saga, que nada mais é que uma praga, é a prova de que o requinte não é para o paladar de todos, e conceitos clássicos em mentes suburbanas têm como resultado esta era neo-gótica estranha de vampiros, que me sinto tentada a chamar de vampire- grunge, onde estão todos contentes por se sentirem angustiados e deprimidos numa história escroque
        
            As teenagers americanas estão para os vampiros assim como os extraterrestres estão para o "secretismo" militar estado-unidense...  não combina!!!

       

     

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Somos todos Simpson


(Para ficar mais perceptível clica para ampliar a imagem) 

domingo, 1 de agosto de 2010

X e Y

            Na minha esfera social, de gente anormal entenda-se, gente normal escasseia por estas bandas (considero mesmo a hipótese de que  isso de gente normal  não passe de mito), há como em todas as esferas sociais comportamentos tipificados. E de todos o que me suscita intriga é o relacionamento amoroso.

                Nem todos os X estão para o Y na harmoniosa relação que julgam estar. Confuso? Passo a explicar, o X e o Y, antes de mais, não têm género, são como indiferenciados quanto ao seu sexo, nem se aplica   particularmente a alguém. Ora quando X e Y se encontram e se dão bem, num mutuo amor de 1ª (2ª  ou mesmo 456ª) vista a coisa é consumada sem grande alarido, mas o que desperta em mim especial fascínio, nesta filosofia de sanita (local onde me encontro), é o desfasamento de perspectiva de X e Y da mesma realidade. Traduzido por miúdos, é quando X pensa que namora com Y, e Y pensa que tem sexo ocasional com X... Entenderam?

               Avante... Experiências há, em que X diz que namora com Y sem que este tenha conhecimento de tal, para ver se "cola", e quando toma conhecimento, Y tem as possíveis reacções:

    1. Foge (ou tenta fugir, o que nem sempre é facil, depende de muitos factores, localização, grau de simpatia que os amigos de Y já têm por X, é muita pressão quando assim é)
    2. "Vamos lá com calma"
    3. "Sim temos qualquer coisa mas namorar!? Pronto por falta de melhor pode ser isso"
          E nisto decorre o 1º estágio da relação, ora para o Y que optou pela 1ª hipótese, nada mais resta a X senão desdenhar Y, e procurar outro Y.
         Para as restantes hipóteses apesar das posturas diferenciarem um pouco, o resultado é o mesmo, enquanto que o X que ouviu a hipótese 2ª tem que fazer mais umas birras até Y ceder, o X que encara uma resposta tipo a hipótese 3ª tem a vida deveras facilitada dada a passividade de Y. Coitado do Y3 (vamos trata-lo assim) quando der por ela já tem uma família nova com sogros, e tios e sobrinhos de X, um mundo novo chegou a ele, sem ele dar conta.
        Com espanto consto que são poucos os Y com coragem para findar a uma situação que não anteveriam. Sem mais rodeios, e porque aqui a ingenuidade cai mal a todos, é claro que o X representa na sua maioria o sexo feminino, por ele ser mais pro-activo nas relações, e também por gostar de se lamentar quando a vida amorosa lhe corre mal.
            Pode ser uma executiva de sucesso, que passa férias no Dubai, compra roupa na Sacoor como se roupa da feira fosse, mas se não tem outra "metade da laranja" como "bonzinho" e não "espectacular" como é de facto. ( Para que conste este tipo de gente rica não consta da minha esfera social, anormal sim, rica não)
              "Metade da Laranja"? Mas para que serve esta alusão a citrinos? Será por as coisas a dois serem agridoces ? Mas para quê metade quando podemos ter várias partes que nos completem?

                 Podemos ter:

  • um cozinheiro que nos tempere o corpo
  • um jardineiro que cultive magia na nossa vida
  • um segurança que nos afaste dos nossos medos
  • um trolha, não me perguntei para quê, mas deve ser bom ter alguém que perceba de um tudo para nos salvar de vez em quando

            Então, para o X que o Y fugiu, não procures mais Y, eles hão-de encontrar-te tens de estar atento.                  
          

sexta-feira, 30 de julho de 2010

...

Como 
se 
desmagnetiza
 um
 íman 
para 
confusão
???

segunda-feira, 26 de julho de 2010

o tesouro


sábado, 24 de julho de 2010

Carta sem destinatário

            Já fui a tua casa! Eu sei, tardei em enfrentar os meus medos, mas chego à conclusão de que tinha razão. Quem por lá mora, determinou que era melhor deitar tudo o que era teu fora; sobrou uma caixa com documentos teus, dois vestidos e três fotografias. E tirando isso, nada dá a entender que por lá viveste uma vida, a poltrona da sala, é só isso, uma poltrona, o teu quarto ficou feio...
         Mas consegui resgatar o nosso tesouro, secreto, que ninguém sabe o que é, que ninguém dará por falta. Cheguei tarde para ficar com os teus lenços, foram para o lixo; se bem que me poupa os ouvidos pelas apreciações (pouco) fashion do Mário, sabes que agora são todos comentadores de moda. É meu por direito, é pedaço de mim e de ti, das nossas memórias, de mais ninguém. Ninguém lhe dará valor, não passa de uma peça velha e disfuncional, que para nós tem sentido e sentimento.
          A minha raiva passou, sabia que a minha dor não podia ser causa deste reflexo de frustração, raiva, ódio, agora só sofro do meu egoísmo por te ter perdido, da tua vida que fugiu de mim. Não foi o cancro que te matou, foi o cansaço de uma vida preenchida.  Estou tão orgulhosa de ti, não posso expressar o quanto; de um orgulho que me enche o coração e me faz chorar de alegria. Tu és a minha sobrevivente à doença por nunca baixares os braços durante três anos, por mais frágil que pudesses parecer. 
        Viste como não chorei!!! Não houve música alegre e gargalhadas como vezes sem conta me confidenciaste que querias, mas eu tenho mantido o espírito animado. Se um dia nos voltarmos a encontrar sei que será para nos rirmos das pérolas que por tal situação aconteceram, no nosso sentido de humor negro e distorcido... eu tinha de sair a alguém, no que toca a gozo é a ti, definitivamente. 
         Sinto-me mais pobre, espiritualmente mais pobre! Acho que é desta que começo a acreditar no céu, num céu que possas descansar, e que me descansa por pensar que agora estás bem.
                        Amo-te por me amares incondicionalmente.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

que nervos!!!

 Mas porque é que ela fala nos filmes como se fosse um comentador de futebol????

domingo, 18 de julho de 2010

Querido "AVEC"

            Espero que se encontre bem de saúde, e que a viagem de regresso a Portugal tenha corrido bem, nesse carro que jura ser seu, que duvidamos dada a frequência que troca de carro. Por cá continuamos na mesma, a saber fazer contas, e com a noção de quanto se ganha e gasta por essa Paris de França. Como vai o panorama de construção civil por lá? E o pó de França limpa-se melhor?
            Se a Paris de França lhe deu trabalho, e dinheiro para fazer uma casa digna de "Doutor" no seu país, tirou-lhe muito, diversão, família, acolhimento dos seus demais conterrâneos, mas precisa de vir homenagear o seu país de "acolhimento" falando-lhe a língua que lhe está vinculada, ou olhar para nós com desprezo esnobe de colonizador.  
            Caro amigo, gostaria de lhe informar que já não há paciência para tanto "çava" e "de vacances" e termos demais generalizados, num francês escroque que o meu amigo quer fazer parecer que é idiomático. As tendências que traz de lá, aqui são ridículas, o vestir bem, o saber estar são apropriadas à situação, ora se está em Portugal, deixe os seus usos imitados (sabe-se lá de quem) na fronteira que por cá rege a maioria, que ditando a normalidade não é "parolá".
            Se há coisa que não deve ser boa é a condução em França, há boa que trazem de lá, fico chocada como Portugal é considerado um dos países com mais sinistros na estrada, fico mesmo admirada como tanto "avec" sobrevive ás estradas francesas.
           Espero que a estadia por este país que por termo de comparação pouco vale, dado que "Na França é que é Bom", seja boa, e que se cinja à licença que lhe passamos só para os meses de Verão.

                                                                 RareHappyChild, 18 de Julho de 2010

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Há com cada idiota!!!

            Conhecem aquela teoria da conspiração que diz que as canetas Bic são dispositivos alienígenas para nos controlar? É tão estúpido, mesmo que por momentos hesitemos em contar quantas canetas Bic estão em nosso redor (6 conto eu, já agora só para saberem, não que queira dizer alguma coisa com isso). É tão absurdo que até contarmos é uma lufada de ar fresco no meio de tal idiotice.

            Pior que as canetas Bic, dou por mim a pensar, em objectos que me rodeiam em grande quantidade. Sei de antemão que são cestos, quase cogumelos, cestos de verga são como cogumelos em minha casa. 

            Há cestos para revistas, para a lenha, para a fruta, para plantas, para cebolas, para produtos de beleza, para guardar outros cestos. Eu ainda me esforço por despacha-los, deixo-os "acidentalmente" em casa onde  vivi, encho-os de coisas várias para oferecer, mas esta praga não desaparece da minha vida. Só na cozinha há 8 cestos de verga.

             Sei que gaja que é gaja, tem de ter cesto de verga, nem que seja para guardar perfume na caminha do quarto... E então também é um dispositivo para controlar a gaja, Cambalhotas?

               Outra coisa que tenho em quantidade estonteante, camisolas ás riscas, t-shirt's ás riscas, casacos ás riscas, cascois  ás riscas, malas ás riscas... serão as riscas uma maneira de controlar alguém? Mas por quem é que estou a ser controlada? Eu tenho um Q.I. dentro da média, este ano tinha 116, não tenho nada de extraordinário para um ser humano... Haverá algum interesse dos alienígenas em mim?

quarta-feira, 14 de julho de 2010

(...)



segunda-feira, 12 de julho de 2010

(já vai atrasado, mas passou-me ao lado)

                                 É verdade já escrevi mais de 100 ideias parvas, e ás vezes também publiquei vídeos do Youtube...




Também quero agradecer...

sábado, 10 de julho de 2010

Achas mesmo que vais longe ao aparecer neste programa?

Reza que na próxima edição o teu sucessor seja mais fraco e menos mediático que tu.

O nosso país por tradição só conhece rancho e mal, pensas que vamos viver o "Fame" da noite para o dia, de Norte a Sul do país?



Estás pronto para "matar a tua privacidade"?




quinta-feira, 8 de julho de 2010

Esta Promiscuidade Intelectual

            O pensar livremente, o expressar sem restrição, a ruptura com a censura conquistou-se. E hoje a nossa arrogância delega que não devemos exercer um direito conquistado, que por respeito ao nosso legado herdado seria um dever. Vivemos de uma promiscuidade intelectual, que nos manda para cafés discutir o "Achas que sabes dançar?" da volta do "Big Brother", vivemos paixões sazonais que os media ditam...

         Começo a dar razão à ideia neo-burguesa do desprezo pelo pop-culture, de que somos todos fruto, desta nova religião que adora o novo, o mais cintilante, o mais in, o socialmente mais apreciado. Porque Amália é fantástica, e o fado é grande num país que ainda há 5 anos desprezava o que era seu, e casas de fados era elitistas; porque Saramago é genial e controverso, num país de poucas leituras; porque António Feio reformulou a comédia, fazendo o que todos fazem; porque Camilo de Oliveira tem imensa piada, da sem piada nenhuma se não fosse a SIC a promove-lo.... Hipócritas!!!

            A baixo aos ditos alternativos que acham que o Tim Burton, e o Tarantino são um máximo se questionar o que fazem, e que consideram que tudo neles é genial... Meus otários, Burton e Tarantino, não são alternativos, estão mais que premeditados para vos que acham que tão diferentes. Faz tudo parte da mesma industria!!! Mas deixem-se enganar, apelem ao meu sentido de humor!

terça-feira, 6 de julho de 2010